Jesus declara-se Senhor da vida e da morte.

Texto. Jo.11.25 “Declarou-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que morra, viverá;”

Int. O Ap. Paulo deixa claro, que a exaltação a Jesus Cristo, como Senhor através de sua ressurreição, é um dos aspectos mais importante do Seu ministério. E assim, foi também com o Ev. João, que no evangelho ocupa-se em provar, por meio dos milagres registrados, que Jesus é o filho de Deus.


A natureza da ressurreição.

Quando Jesus declarou à Marta que tencionava ressuscitar Lázaro, ela retrucou! “Sei que ele há de ressurgir na ressurreição, no último dia.” vs 24, Marta estava citando o que ela havia aprendido acerca da ressurreição. Mas, Jesus estava falando, de uma ressurreição para a vida presente, assim, como acontecera com a filha de Jairo, o filho da viúva de Naim; é claro que quem ressuscitasse dessa maneira, obviamente teria de morrer outra vez. Algo que me chama a atenção, que no meu ponto de vista tornou o milagre de Lázaro, mais espantoso, foi que Jesus demorou a ir ao encontro (premeditadamente) da família do morto; vs. 39 “Senhor, já cheira mal, porque está morto há quase quatro dias.

Jesus apresenta-se como o Doador da vida.

Respondendo a Marta vs 25/26, Jesus fez um dos maiores pronunciamento do seu ministério, “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que morra, viverá” Pronto! Aqui foi dada a garantia da ressurreição presente e futura, e com essas palavras, Jesus dá esperança a toda humanidade. A proposta de Marta foi singela, ela mostrou total confiança em Jesus, no Seu poder para reverter aquele quadro de morte. Mas também, poderia ter sido acusada de blasfêmia, pelas autoridades religiosas, que não aceitavam Jesus como o filho de Deus, sabendo que tal milagre, só Deus poderia fazer.

A ressurreição consumada.

Após ser dirimida a última dúvida de Marta, Jesus faz uma breve oração, e manda retirar a pedra. E ali Ele expressou seus sentimentos e propósitos daquele milagre vs.40/41. Para a glória de Deus, que o povo O aceitasse como O Messias libertador, e para que muitos daqueles presentes inclusive os Judeus cressem Nele. Jesus provou Sua divindade demonstrando o Seu poder, tanto na esfera da vida, como na da morte, extrapolando a visão messiânica meramente terrena / material, que os Judeus alimentavam acerca do libertador. Que nós venhamos crer, para que possamos ver a glória de Deus.

Pr. Jessui Gomes.

Endereço